Por que não anda o tempo para trás?

Noites no Observatório - Por que não Anda o Tempo para Trás?

A sessão terá início com a palestra às 21:30. Após a palestra haverá um pequeno espetáculo de música e efeitos na cúpula do Planetário. As observações astronómicas decorrerão em contínuo ao longo da noite, até às 24:00.


Por que não Anda o Tempo para Trás?

por Marina Cortês, do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

Por que é que o futuro é diferente do passado?

O facto mais marcante do mundo à nossa volta é que o tempo está sempre a avançar. Lembramo-nos do passado mas não do futuro, podemos transformar ovos numa omelete, mas não omeletes em ovos, a nossa idade aumenta, mas nunca diminui, etc.

Por mais curioso que seja, as nossas teorias em física contemporânea não têm resposta para esta questão. Nesta palestra, Marina Cortês irá descrever o seu trabalho com Lee Smolin (Canadá) no estudo da origem da direção do tempo, e como incorporá-la na compreensão do universo à nossa volta.

Pode ver ou rever a sessão em formato vídeo nos canais do IA no YouTube ou no Vimeo.

Nota Biográfica

Marina Cortês obteve o seu doutoramento em Cosmologia Teórica em 2008 na Universidade de Sussex (Reino Unido) e na Universidade de Cape Town (África do Sul).

Atualmente é investigadora no Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), tendo antes desenvolvido trabalho em muitos centros à volta do mundo, entre estes o Lawrence Berkeley National Lab (California, US), University of Edinburgh (UK), Universidade de Lisboa (Portugal), Perimeter Institute for Theoretical Physics (Canada), African Institute for Mathematical Sciences (South Africa), e Institute for the Early Universe (Korea). Em 2011 recebeu o prémio europeu de investigação Marie Curie Fellowship.

A Marina tem paixão pela investigação das origens do tempo no Universo, um trabalho que realiza em colaboração com o prestigiado cientista Lee Smolin (Canadá). Em 2015, este trabalho dos dois cientistas foi galardoado com o Prémio Inaugural Buchalter Cosmology Prize (1º lugar).

Partilhe

Duração:

2,5 horas

Entrada livre


Inscrição

Apesar de ter acesso gratuito, a atividade requer uma inscrição obrigatória que pode ser realizada aqui.

Atenção: Devido à crescente procura das nossas atividades e ao facto de existirem desistências sem aviso prévio, será solicitado por e-mail até dois pedidos de confirmação das presenças. A ausência de resposta (48 horas após a receção do pedido de confirmação) será tomada como uma desistência, sendo cancelada a inscrição. Por este motivo, esteja atento à sua caixa de correio eletrónico de modo a poder confirmar a sua participação nas atividades, quando lhe for solicitado.

Atenção: Deverá levantar uma senha de inscrição na porta do Planetário Calouste Gulbenkian entre as 21:00 e as 21:25 no dia do evento. Após as 21:25, as senhas não levantadas serão atribuídas a pessoas inscritas em lista de espera e, por ordem de chegada, a pessoas sem inscrição.

Importante: 

A existência de observações astronómicas está sujeita às condições meteorológicas. Como têm lugar no exterior, aconselha-se o uso de roupa confortável e quente.

A realização da palestra é independente das observações. O Planetário Calouste Gulbenkian abre as suas portas meia hora antes do evento.

Receba os anúncios antecipadamente:

O tema da palestra e o programa são divulgados na segunda-feira da semana anterior ao evento. A divulgação é realizada através das páginas internet do IA e do OAL, assim como da lista de distribuição de notícias do OAL (Astronovas). Pode ainda receber os anúncios através da página de facebook do IA assim como do grupo facebook das Noites no Observatório.

Localização

Planetário Calouste Gulbenkian - Centro Ciência Viva
Museu de Marinha
Praça do Império
Lisboa

Como chegar

De carro
GPS – 38.698140, -9.208919

De autocarro
714, 727, 28, 729, 751 e 201

De elétrico
15

De barco
Estação fluvial de Belém ( Transtejo)

Videotransmissão

Pode assistir à sessão a partir de casa acedendo ao seguinte endereço e interagir com o palestrante, colocando as suas questões online.

A videotransmissão das palestras tem o apoio da Fundação para a Computação Científica Nacional (FCCN), unidade da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT).